segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

CINQUENTA COISAS PERIGOSAS e a minha navalhinha

Um livro, recentemente lançado nos Estados Unidos da América, defende que existem, pelo menos, cinquenta coisas "perigosas" que devemos deixar as crianças fazerem. Lamber uma pilha electrica, brincar com fósforos, agulhas ou facas são apenas algumas das liberdades que agora se "descriminaliza". Claro que sempre com a supervisão de um adulto pois que o objectivo não é pôr em causa a segurança da criança, mas antes deixá-la passar por experiências que contribuam para a sua aprendizagem e desenvolvimento.
Aliás foi esta a escola onde todos nós andamos quando brincar era uma coisa séria.
Brincar era muito mais do que uma atividade lúdica. A brincar divertiamo-nos, é certo, mas também recriava-mos, interpretava-mos e relacionávamo-nos com o mundo à nossa volta.
As brincadeiras eram autenticas aulas práticas multi-disciplinares (ou atelier´s como hoje se diz ).
Quase todos os nossos brinquedos eram "fabricados" por nós.
Isto traz-me à lembrança uma das primeiras prendas que me recordo de ter recebido do "Menino Jesus": uma "navalhinha"! Isso mesmo: uma "navalhinha"!

Com ela, a partir de então, pude construir todo o meu mundo: os meus bois de soco de milho com a respectiva canga e as restantes alfaias agricolas; as gaitas de cana que compunham os vários naipes da nossa "filarmónica"; a "atiradeira" com a qual afugentáva-mos os "melros" das colheitas; as peças para armar o "setil"; os papagaios que lancáva-mos em dias de vento; os moínhos "espanta melros" feitos de cana talhada; os "rodeiros"... e tantos outros!
Com a minha "navalhinha" aprendi a dor de um golpe. Por essa via, o seu manuseamento e os cuidados a ter com os objectos cortantes mesmo sem livro de instruções nem supervisão de adultos.